25 de setembro de 2018

Os Poemas ~~~ por Mario Quintana, in Esconderijos do Tempo

Os poemas são pássaros que chegam
não se sabe de onde e pousam
no livro que lês.
Quando fechas o livro, eles alçam vôo
como de um alçapão.
Eles não têm pouso
nem porto
alimentam-se um instante em cada par de mãos
e partem.
E olhas, então, essas tuas mãos vazias,
no maravilhado espanto de saberes
que o alimento deles já estava em ti…


&&&&&&&

Biografia resumida, obras e estilo literário


Mário Quintana foi um importante escritor, jornalista e poeta gaúcho. Nasceu na cidade de Alegrete (Rio Grande do Sul) no dia 30 de julho de 1906. Trabalhou também como tradutor de importantes obras literárias. Com um tom irônico, escreveu sobre as coisas simples da vida, porém buscando sempre a perfeição técnica.

Em 1919, mudou-se para a cidade de Porto Alegre, onde foi estudar no Colégio Militar. Foi nesta instituição de ensino que começou a escrever seus primeiros textos literários.

Em 1925, voltou para a cidade de Alegrete e passou a trabalhar na farmácia do pai.

Em 1926, sua mãe (Virgínia de Miranda Quintana) faleceu e no ano seguinte foi seu pai (Celso de Oliveira Quintana) que faleceu.

Já na fase adulta, Mário Quintana foi trabalhar na Editora Globo. Começou a atuar na tradução de obras literárias. Durante sua vida traduziu mais de cem obras da literatura mundial. Entre as mais importantes, traduziu “Em busca do tempo perdido” de Marcel Proust e “Mrs. Dalloway” de Virgínia Woolf.

Com 34 anos de idade lançou-se no mundo da poesia. Em 1940, publicou seu primeiro livro com temática infantil: “A rua dos cata-ventos”. Volta a publicar um novo livro somente em 1946 com a obra “Canções”. Dois anos mais tarde lança “Sapato Florido”. Porém, somente em 1966 sua obra ganha reconhecimento nacional. Neste ano, Mário Quintana ganha o Prêmio Fernando Chinaglia da União Brasileira dos Escritores, pela obra “Antologia Poética”. Neste mesmo ano foi homenageado pela Academia Brasileira de Letras.

Ainda em vida recebeu outra homenagem em Porto Alegre. No centro velho da capital gaúcha é montado, no prédio do antigo Hotel Majestic, um centro cultural com o nome de Casa de Cultura Mário Quintana.

Mario Quintana não se casou e também não teve filhos. Faleceu na capital gaúcha no dia 5 de maio de 1994, deixando uma herança de grande valor em obras literárias.

Curiosidade:

- Durante a Revolução de 1930, que conduziu Vargas ao poder, Mario Quintana se alistou no Batalhão dos Caçadores (tropa civil que apoiou o movimento revolucionário) do Rio de Janeiro.

Principais obras de Mário Quintana:

Poesias

A Rua dos cata-ventos,1940

Canções,1946

Sapato florido,1948

O aprendiz de feiticeiro,1950

Espelho mágico,1951

Poesias,1962

Quintanares,1976

A vaca e o hipogrifo, 1977

Esconderijos do tempo,1980

Baú de espantos,1986

Preparativos de viagem,1987

Da preguiça como método de trabalho, 1987

Porta giratória,1988

A cor do invisível, 1989

Velório sem defunto,1990

Água, 2001

Literatura Infantil

O batalhão das letras, 1948

Pé de pilão,1968

Lili inventa o mundo,1983

Nariz de vidro,1984

O sapo amarelo,1984

Sapato furado, 1994

Antologias

Antologia poética, 1966

Prosa & verso, 1978

Na volta da esquina,1979

Nova antologia poética,1981

Literatura comentada,1982

Primavera cruza o rio,1985

80 anos de poesia,1986

Ora bolas, 1994

Frases:

- "Quem pretende apenas a glória não a merece."

- "A amizade é uma espécie de amor que nunca morre."

- "O que faz as coisas pararem no tempo é a saudade."

Fonte: Sua Pesquisa.com