25 de fevereiro de 2016

Manoel de Barros - Fragmento


“Essas doces ruínas mortas ou alamedas
Esquecidas em sua tranquilidade de coisas anônimas, – cuidado com elas!
São infestadas de lobos solitários…“