15 de dezembro de 2016

“Adiamento”, Álvaro de Campos


“Depois de amanhã serei finalmente o que hoje não posso nunca ser.
Só depois de amanhã…”


Nenhum comentário: