29 de maio de 2016

Pudesse eu como o luar, Fernando Pessoa - em ‘Poesias Inéditas (1919-1930), 1956. Ed. Ática, Lisboa (imp. 1990).’


Pudesse eu como o luar
Sem consciência encher
A noite e as almas e inundar
A vida de não pertencer!

Nenhum comentário: