23 de abril de 2016

Maria de Lurdes Melo, in "Não gritaste por mim, meu Amor"

Quero uma tarde eterna de mar e navegar por entre a pele da tua alma sem rumo.
Acorda-me o sabor de água dos teus beijos arrancados à doçura da minha pele. 
Restos de Lua. 
Foram as palavras que não disseste e os olhos que como barcos ao longe me ofereceste. 
Escreveste contudo a vontade e eu sonhei-me tua ...
Deixei no mar a delicadeza dos meus sonhos quando apagaste da areia a grandeza dos nossos corpos amantes.

Nenhum comentário: