25 de outubro de 2014

Amor por Thereza Christina Rocque da Motta


Respondo-te com o mesmo calor da hora,
com o mesmo entusiasmo lançando-se sobre mim.
Respondo-te com as mesmas palavras longínquas,
o mesmo ardor do tempo,
que só responde a perguntas com o silêncio.
Somos os bravios olhos da tempestade,
o vórtice do furacão,
a manhã estrelada de tantas auroras antigas
- memória restaurada com as mãos ainda breves e leves.
Respondo-te com o que sei de mais límpido e transparente.
meus cristais sobre a areia ainda úmida da manhã.
A praia que nos cerca é fronteiriça
e nos abre os limites da espera e da vida.
Toda vida está diante de nossos olhos,
como o mar que nos aguarda
se o singrarmos.
Partimos para descobertas irrealizadas,
trafegamos outros mares por descuido
e voltamos, exaustos e mudos,
à mesma praia,
à mesma origem,
ao mesmo templo diante do abismo.
somos os que avançam sobre as águas
- cortando a lâmina fina do esquecimento.
lembramos quem somos e o sabemos
- toda vida está aonde a colocamos,
vibrando a única melodia que
conhecemos:
amor.

Nenhum comentário: