14 de dezembro de 2013

Poema de Luiz Fábio Rodrigues da Cruz



Faça como sempre e só tire a roupa
Mi beije como louca e se dê de presente
O olhar de menina sapeca não engana
Vêem e mi banha com o teu mel que sacia

Beijos e abraços de teus seios e pernas
Do toque que velas todos os meus cansaços
Todo o teor do sabor do calor teu
A dor morreu no mundo com esse amor

Seca com as tuas mãos as minhas lágrimas
Gera com rimas irmãs a minha consolação
Perca a minha alma dentro de ti

Não mi importa que horas são, aqui e agora
Nem quem bate a porta, continua e goza
No final junto a mim adormeça calma

2 comentários:

Luiz Fábio Rodrigues da Cruz disse...

Não tenho as palavras certas para agradecer a sua querida e carinhosa amizade. Um abraço fechado de peito colado e rosto enclinado.

Elaine Faria disse...

Não tem que agradecer Luiz Fábio, a felicidade é minha de conhecer uma pessoa tão talentosa e sensível quanto você. Obrigada por permitir que eu escolhesse e publicasse aqui no blog um lindo e encantador poema teu. Abraço grande e fechado amigo! : )