14 de julho de 2013

Palavra que desnudo por Mia Couto, In Raiz de Orvalho e Outros Poemas, 1999



Entre a asa e o voo 
nos trocamos 
como a doçura e o fruto 
nos unimos 
num mesmo corpo de cinza 
nos consumimos 
e por isso 
quando te recordo 
percorro a imperceptível 
fronteira do meu corpo 
e sangro 
nos teus flancos doloridos 
Tu és o encoberto lado 
da palavra que desnudo 


Nenhum comentário: