16 de maio de 2013

Se, por Priscila Rôde

Colho uma beleza pra respirar melhor. Uma palavra pra aquecer o corpo. O amor passou por mim de novo. Meu dia ficou grudado em sua cintura. Não vivi mais nada, só aquele bem-querer surrado. Ele passou e me deixou entre nós, sob a tua força, em órbita. O tempo passa e me deixa. A saudade passa e me deixa. Tudo passa e me deixa com aquele hálito aturdido de eus e ontens. Fico insone. Se alguma coisa, ao menos, ficasse...eu descansaria (de mim) um pouco. Desobstruiria o peito. Me resolveria num pouso, à tarde. Ou, se você voltasse...

Nenhum comentário: