18 de fevereiro de 2012

Eu caminhava assim tão distraído...por Mauricio Arruda Mendonça


OLHA eu ando louco à procura
de um olhar que como o
seu me acalme um pouco
e eu possa chamar poema
salto de cervo
lua de outono

OLHA a parede se descasca
poeira em tudo o que fica
pense um pouco
cinza de cigarro tubo de caneta
não foi assim que eu te ensinei a mentir
tenho febre algum tipo de dor
mas ainda que eu erre

OLHA velocidade é uma fissura da juventude
solidão é um método maluco
de saber quem está dentro de você
quando a cidade inteira te odeia
mas entre almas de jeans
você segue

OLHA nada na neblina além
de borboletas transando
estátuas se mexendo
pessoas que se esqueceram de sorrir
e você vai se matando
de tanto dizer sim
mas

OLHA  a chuva fina no asfalto
a sua pele sobre o meu corpo
pra sempre

Nenhum comentário: