30 de setembro de 2011

(...) como folha de outono... por Caio Fernando Abreu


"Não sei bem o que dizer sobre mim.
Não me sinto uma mulher como as outras."
*
"Sou tantas que mal consigo me distinguir.
Sou estrategista, batalhadora, porém traída pela comoção.
Num piscar de olhos fico terna, delicada.
Acho que sou promíscua.
São muitas mulheres numa só, e alguns homens também."
*
"Não, não ofereço perigo algum:
sou quieta como folha de outono
esquecida entre as páginas de um livro,
sou definida e clara como o jarro
com a bacia de ágata no canto do quarto
- se tomada com cuidado,
verto água límpida sobre as mãos
para que se possa refrescar o rosto mas,
se tocada por dedos bruscos
num segundo me estilhaço em cacos,
me esfarelo em poeira dourada."

Nenhum comentário: