10 de julho de 2011

Quero... por Bernardo Soares



um regaço para chorar,
mas um regaço enorme, sem forma,
espaçoso como uma noite de verão, e
contudo próximo, quente, feminino,
ao pé de uma lareira qualquer.

um colo, um berço,
um abraço quente
em torno do meu pescoço,
uma voz que cante baixo
e que pareça querer fazer-me
chorar

um calor no inverno,
um extravio morno da minha
consciência.

e depois, sem som,
um sonho calmo,
um espaço enorme como a lua
rodando entre as estrelas.

Nenhum comentário: