14 de março de 2011

Caio Fernando Abreu... Fragmentos


Certo dia me perguntaram: Porque você se apaixonou? Eu repondi: Não sei… E talvez continue não sabendo. Eu simplesmente amo, acordo e vou dormir com ele nos meus pensamentos...

[...] vagando sem encontrar, sem saber sequer o que busco, o que buscarei.

"...Sei que pretendia dizer alguma coisa muito especial pra você, alguma coisa que faria você largar tudo e vir correndo me ver..."

Mas finjo de adulto, digo coisas falsamente sábias, faço caras sérias, responsáveis. Engano, mistifico, disfarço esta sede de ti, meu amor que nunca veio – viria? virá?

Nada em mim foi covarde, nem mesmo as desistências! Desistir ainda que nao pareça foi meu grande gesto de CORAGEM!

Jamais olhava para trás, jamais: o que estava feito, estava feito, estava consumado, estava para sempre imutável, inamoldável, fechado em si mesmo, estanque: o tempo.

"O que você mentir eu acredito."

Nenhum comentário: