27 de janeiro de 2011

A assombrosa fragilidade do amor por Zygmunt Bauman, in "Amor líquido – A fragilidade dos laços humanos"


"Quando se trata de amor, posse, poder, fusão e desencanto são os Quatro Cavalheiros do Apocalipse.
Nisso reside a assombrosa fragilidade do amor. Lado a lado com sua maldita recusa em suportar com leveza a vulnerabilidade. Todo amor empenha-se em subjugar, mas quando triunfa encontra a derradeira derrota. Todo amor luta para enterrar as fontes de sua precariedade e incerteza, mas, se obtém êxito, logo começa a se enfraquecer e definhar. Eros é possuído pelo fantasma de Tanatos, que nenhum encantamento mágico é capaz de exorcizar. A questão não é a precocidade de Eros, e não há instrução ou expedientes autodidáticos que possam libertá-lo de sua mórbida – suicida – inclinação".

Nenhum comentário: