4 de março de 2010

Tu por Pablo Neruda


Tu eras também uma pequena folha
que tremia no meu peito.
O vento da vida pôs-te ali.

A princípio não te vi:
não soube
que ias comigo,
até que as tuas raízes
atravessaram o meu peito,
se uniram aos fios do meu sangue,
falaram pela minha boca,
floresceram comigo.


Um comentário:

F@bio M. Faria disse...

Oi Mana
Muito lindo esse texto do Neruda!
Bjs